Genética e conservação do guaiamum (Cardisoma guanhumi) e dos seus habitats em Pernambuco

Início: Jan/2012

Com apoio da FACEPE, tem como objetivo avaliar o nível de danificação genômica e a possível perda de variabilidade genética de cinco populações do litoral pernambucano (Norte, Centro e Sul) ao longo de dois ciclos climáticos (2012 e 2013). Por meio dos ensaios Cometa Micronúcleo, foram avaliadas as macro e microlesões no genoma dos espécimes. Através do sequenciamento da Região Controle do mtDNA estão sendo inferidas diferenças na variabilidade genética e estruturação das populações. Os resultados têm mostrado que o rigoroso inverno do ano de 2012 causou uma mistura de águas contaminadas por poluentes com as águas estuarinas e provocou significativo aumento no dano genômico dos espécimes. No entanto, o contínuo monitoramento nas estações subsequentes mostrou reversão nos danos sofridos e a capacidade de resiliência da espécie. Além disso, os resultados vêm mostrando que a espécie apresenta alta diversidade genética ao longo de todo o litoral do estado e ausência de estruturação entre as populações.

 

guaimun-cap1.psd_0004_Cardisoma

Protocolo de genética forense para identificação da comercialização ilegal do tubarão lixa (Ginglymostoma cirratum)

Início: Jan/2012

Com apoio do INCT-Ambientes Marinhos Tropicais/CNPq – FAPESB, objetiva a identificação da carne do tubarão-lixa por meio do protocolo DNA barcode, que usa da variação espécie-específica do gene mitocondrial Citocromo oxidase subunidade 1 (CO1), para os fins de diferenciação de espécies. O tubarão-lixa (Ginglymostoma cirratum) é uma espécie que tem ampla distribuição, apesar da baixa mobilidade e vive em águas rasas associado à ambientes recifais. Por ser calmo e inofensivo, a pesca predatória tem aumentado a níveis alarmantes levando a espécie a ser considerada como vulnerável pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes). Além disso, devido à descaracterização pós-pesca, são vendidos como outras espécies não ameaçadas. Por meio do protocolo DNA barcode pretendemos identificar da comercialização ilegal, favorecendo assim o cumprimento das disposições legais.

 

tubarao lixa

 

Genética da conservação de cavalos marinhos Hippocampus reidi

Início: -

Com apoio do CNPq e da Fundação Boticário visa avaliar a estrutura da variação genética da espécie na costa brasileira. Além disso, o projeto pretende gerar um protocolo de DNA forense afim de rastrear a comercialização de H. reidi ao longo de várias capitais costeiras do Brasil. Variações mitocondriais e de regiões nucleares (msats) testarão ainda o sistema de acasalamento de H. reidi, afim de confirmar o comportamento monogâmico da espécie. Dados preliminares de dois genes mitocondriais revelaram baixos níveis de diversidade genética no Nordeste e uma única unidade genética bem suportada para indivíduos oriundos de uma faixa extensa da costa do Brasil (mais de 1000 km). Tais informações terão importantes implicações para a conservação da espécie no Brasil.

cavalo marinho

 

Dano genômico e o status de conservação de Mugil curema (Actinopterygii: Mugilidae) em cinco sistemas estuarinos do estado de Pernambuco

Início: -

Com apoio da FACEPE, busca apresentar um panorama da qualidade ambiental dos estuários pernambucanos, através de um diagnostico de possíveis danos genéticos em células sanguíneas da espécie Mugil curema. Tais danos são evidenciados por duas metodologias citogenéticas que detectam lesões a nível cromossômico (Ensaio Micronúcleo) e molecular (Ensaio Cometa). Até o momento foram realizadas as coletas nos estuários dos rios Goiana e Jaguaribe, ambos no litoral norte de Pernambuco, assim como a amostragem controle, coletada no estuário do rio Una, localizado no litoral sul do estado de São Paulo. O material coletado foi submetido aos protocolos experimentais e as lâminas histológicas analisadas em microscópio óptico, para verificar a presença de células micronucleadas e em microscópio de fluorescência quanto à presença de rastros de DNA (cometas). Os resultados fornecerão subsídios para criação de medidas que visem um melhor gerenciamento ambiental dos estuários e conservação da espécie.

 

guaimun-cap1.psd_0000_Projeto Genotox Tainha PE copy 2

DNA barcode de larvas de peixes recifais da APA dos Corais, Tamandaré, PE

Início: -

Com apoio da Fundação Marie Curie para cooperação Internacional (RECOMPRA: Reef ECOlogy and design of Marine PRotected Areas) e do CNPq/Fapesb – INCT Ambientes Marinhos Tropicais, objetiva confirmar e refinar a identificação morfológica, via a tecnologia do DNA barcode, de indivíduos pré-assentantes (pós-larvas) de peixes coletados com armadilhas de luz nos recifes costeiros da APA dos Corais, Tamandaré, PE pelo grupo de Estudos de Ambientes Recifais (Oceanografia/UFPE) em parceria com o Cepene/ICMBio. As amostragens vêm sendo realizadas mensalmente desde 2010 com o objetivo de compreender a dinâmica dos processos pré-recrutamento e suas consequências para a manutenção das assembleias. A identificação acurada das espécies é etapa essencial neste estudo e assim o uso da técnica de DNA barcode se torna uma importante ferramenta que, aliada a identificação morfológica, permitirá não somente melhorar a resolução e acurácia da identificação dos pré-assentantes, como fazer novas descrições morfológicas do estágio larval das espécies.

 DNA barcode de larvas de peixes recifais da APA dos Corais, Tamandaré, PE

Avaliação de estoques pesqueiros com DNA barcode ao longo de um gradiente latitudinal do Atlântico Ocidental

Início: -

Com apoio da Facepe e do CNPq/Fapesb – INCT Ambientes Marinhos Tropicais objetiva compreender os efeitos na variação do COI em escala geográfica, principalmente em estoques pesqueiros de ampla distribuição. No Atlântico Ocidental, a pluma do rio Amazonas (AOP) tem sido uma barreira para muitas espécies de peixes. Contudo a AOP tem se mostrado permeável para outras, que se distribuem em ambos os lados da região da pluma. Atualmente, existem dados de diferentes espécies com COI ao norte e ao sul da AOP disponibilizadas no banco de domínio publico BOLD, sendo o Nordeste do Brasil uma das lacunas de conhecimento. Assim, este projeto pretende preencher esta lacuna afim de responder se o efeito da escala geográfica (vicariância) afeta a variação genética intraespecífica e a conectividade entre populações de 35 espécies de peixes Anfi- PA, ao longo de um gradiente latitudinal no Atlântico Ocidental.

 

Variação populacional e Alitta succinea (Leuckart, 1847) com base nas paragnatas e marcadores moleculares ISSRs ao longo da costa Brasileira

Início: -

Com apoio da com apoio da Facepe/CNPq-Fapesb – INCT Ambientes Marinhos Tropicais objetivou avaliar tanto a variação morfológica perante a análise merística das paragnatas de Alitta succinea das populações do Pará, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e Paraná, como também a estrutura da diversidade genética dessas populações, perante uso dos marcadores moleculares ISSR. Exemplares de Alitta succinea (categorizado como invasor no Brasil) foram coletados em cinco pontos do litoral brasileiro e tanto para os dados de morfometria quanto aqueles do genoma nuclear foram observadas estruturações populacionais. Duas hipóteses puderam ser levantadas: (a) a baixa mobilidade latitudinal da espécie e/ou (b) invasões múltiplas na costa do Brasil respondem pelo fenômeno de estruturação populacional aqui detectado.

 

Variação populacional e Alitta succinea (Leuckart,1847) com base nas paragnatas e marcadores moleculares ISSRs ao longo da costa Brasileira

Diversidade genética e filogeografia comparada da ictiofauna nas bacias hidrográficas da transposição do rio São Francisco

Início: -

Com apoio do CNPq/Capes, objetiva caracterizar a ictiofauna da ecoregião do Nordeste médio oriental cujas bacias estão envolvidas no programa de transposição das águas do rio São Francisco. Além disso, serão observados padrões filogeográficos (mtDNA/nDNA) de algumas espécies afim de inspecionar histórias compartilhadas de isolamento/conexão inter-bacias, capazes de predizer os impactos da mistura faunística esperada pelas junções das águas, como mudanças na composição das comunidades, hibridização de espécies e perda de adaptações locais com extinção local ou total de espécies endêmicas e/ou ameaçadas. Este projeto visa aumentar o conhecimento da diversidade, endemismo e distribuição geográfica de peixes destas bacias, a fim de preencher a lacuna de informações básicas sobre a ictiofauna da Caatinga.

 

Diversidade genética